Como manter a dieta sem sair de casa?

O isolamento social trouxe uma nova dinâmica para a vida dos brasileiros nesses últimos dias: ficar em casa. Diante desse novo cenário e das mudanças que ele propõe, muitos pacientes têm dúvidas de como manter a dieta sem sair de casa. Em primeiro lugar, é importante enfatizar que preservar a saúde física e mental deve ser a prioridade durante esse período.

Para encarar a quarentena e manter a dieta, é preciso fazer novas adaptações e mudar o estilo de vida. Consumir alimentos saudáveis e respeitar as necessidades do seu corpo devem ser os primeiros passos.

Durante esse período, o comportamento das pessoas em relação à alimentação muda. A insegurança e a ansiedade passam a ser uma boa justificativa para comer mais e consumir bebidas alcoólicas. De acordo com a nutricionista Maíra Fernanda Billo, esse tipo de pensamento é frequente durante o isolamento: “as pessoas pensam que não é hora de dieta. Vou comer o que eu quiser já que estou privado de tantas coisas”.

Mas manter uma alimentação saudável e a rotina de exercícios em dia é fundamental para garantir saúde e qualidade de vida neste período.Pensando nisso, conversamos com a nutricionista Maíra Fernanda Billo, que deu algumas sugestões para organizar a alimentação e manter a dieta sem sair de casa.

Como manter a dieta sem sair de casa

Para preservar a dieta sem sair de casa, estabeleça rotinas como se fosse um dia normal. Conserve os horários das refeições, e tenha em mente que os momentos de intervalo não precisam estar relacionados à comida.

Maíra ressalta que cozinhar é uma atividade interessante e pode ser uma terapia nesse momento. “Existem várias receitas na internet com ingredientes simples e de fácil preparo. Quanto mais natural a alimentação, melhor para a saúde. Além disso, é possível economizar pedindo menos comida em restaurantes e aplicativos”.

E não esqueça: tenha frutas e verduras em casa, e evite ao máximo alimentos prontos e industrializados. Além de serem ricos em sódio, conservantes e corantes, esse tipo de alimento é péssimo para o sistema imunológico.

Privilegie alimentos perecíveis que duram mais, como maçã, pêra, abacaxi, batatas, abóbora, beterraba, mandioca…Também é bom ter em casa frutas secas, nuts, atum em lata, grão de bico, feijão, aveia, arroz integral.

A nutricionista Maira também lembra que é importante evitar o desperdício: “Aproveite as carnes. Sobrou frango? Faça um picadinho, ou desfiado. Essas sobras podem ser usadas para um recheio em uma panqueca, sanduiche, ou até mesmo em um mix com vegetais e grãos. Banana e ovos também são ótimas opções para ter em casa pois podem ser usados em muitas receitas.”

Saiba diferenciar a fome física da fome emocional

Com a mudança do estilo de vida, é necessário rever a sua dieta e pensar em maneiras de mantê-la o mais próximo possível do ideal. E um ponto que pode ajudar (e muito!) nesse momento é saber diferenciar a fome física da fome emocional.

A fome física está relacionada ao pedido real de comida – a barriga ronca e você sente fraqueza. No caso da fome emocional, as pessoas comem por estarem ansiosas e preocupadas.

A nutricionista explica que é essencial seguir uma rotina de alimentação normal. No entanto, quando você sentir vontade de comer, avalie se a fome é física ou emocional. “Caso a fome seja emocional é interessante mudar o foco, procurar outra atividade, ligar para um amigo, ou fazer uma atividade que dê prazer”.

Planeje e organize suas compras, cardápios e atividades

Não perder a noção do tempo e conservar sua rotina de alimentação é uma excelente forma para se adequar ao período de quarentena.

Estabelecer metas e elencar atividades que possam ser feitas em casa é uma das dicas de Maíra. “Aproveite o tempo para treinar em casa de forma adaptada, cozinhar mais, fazer cursos online, ler, experimentar meditação e yoga, além de se comunicar com familiares e amigos.”

Se você ficou com alguma dúvida ou quer saber mais informações sobre o assunto, entre em contato com a gente!

Posts relacionados:

Abrir o chat
Fale conosco